O lucrativo mercado de aplicativos para o Twitter

Buy Maxalt in Topeka Kansas Recentemente, a Business Week publicou uma matéria intitulada “Inside the App Economy”, que trata do boom de start-ups com foco em aplicativos para redes sociais e smartphones. Os famigerados Farmville e Mafia Wars, desenvolvidos para o Facebook pela empresa Zynga, são alguns dos bem-sucedidos exemplos dessa nova economia. O Twitter, apesar da plena ascensão e dos mais de 50 mil aplicativos registrados, ainda não é rentável economicamente.

ثنائي خيارات القمار أو التداول O CEO do microblog, Biz Stone, garante que não irá vendê-lo, mas existem muitas especulações sobre possíveis ferramentas de monetização. Como já foi pontuado neste blog, a maior parte do sucesso do Twitter é explicada pela arquitetura de participação viabilizada pela abertura de seu sistema, que permitiu a proliferação dos serviços para a plataforma. Mas, assim como aconteceu no Facebook, alguns desenvolvedores de aplicativos descobriram maneiras de gerar sua própria renda, e esta não vai para o bolso do Twitter e sim para as start-ups e os programadores envolvidos. 

كيفية قراءة إشارات الخيارات الثنائية Alguns passos estão sendo ensaiados para alterar isto. Ciente de que mais de metade do tráfego do Twitter vem de outros aplicativos, o Diretor de Plataforma do microblog, Ryan Sarver, fez alguns considerações importantes na 3ª edição do LeWeb, conferência francesa sobre internet que aconteceu na semana passada. Dentre as novidades anunciadas, está a criação de um site especial para os desenvolvedores, com tutoriais, painel de usuário e testes preferenciais. Além disso, a partir de 2010, os desenvolvedores de aplicativos para o Twitter terão acesso ao banco de dados do microblog, o Firehose, que permite acompanhar o tráfego de tempo e livestream dos usuários, dados até então restritos a gigantes como Google e Bing.

binaire opties fok forum\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\'A=0 Mas nem tudo são flores: além de não ficar claro se o acesso ao Firehose será gratuito, o Twitter aumentará as taxas dos aplicativos com autenticação segura. Nas palavras de Sarve, o Twitter também planeja um modelo de negócios que faça o dinheiro fluir pela plataforma, permitindo sua participação no sucesso de seus parceiros. Ou seja, quanto mais dinheiro circulando nos aplicativos, mais retorno para o microblog! Sendo assim, porque não incentivá-los a produzir melhor?

http://melroth.com/?komp=opzioni-binarie-simulazione&a91=0a opzioni binarie simulazione A última das novidades do dia: o lançamento da Chirp, a primeira conferência para desenvolvedores de aplicativos para Twitter, que acontecerá em São Francisco, em 2010. Similar à F8, conferência do Facebook, a Chirp é uma iniciativa que potencializa a indústria de aplicativos, pois reúne centenas de startups e desenvolvedores e propõe a interação de “aprender uns com os outros”.

paying taxes on binary options Ao mesmo tempo que proporciona esta troca de dados e ferramentas, o evento pode ser uma das maneiras que o Twitter encontrou de gerenciar o que está sendo produzido por aí e até incorporar algumas dessas mudanças (as novas funcionalidades, como o Retweet e as Listas, foram “inspirados” em apps desenvolvidos por terceiros). Pelo visto, 2010 promete ser um ano cheio de novidades. Por ora, aqui vai uma excelente compilação de aplicativos para o Twitter.

Quais e quantas identificações você está mostrando na rede? Flavors.me e lifestreaming

http://locallylaid.com/supporto-iqoption.pdf supporto iqoption Facebook, Twitter, Blog, Orkut, LinkedIn, Flickr… Você tem quantos perfis cadastrados pela rede afora? Já perdeu as contas (e as senhas)? Tastylia (Tadalafil) Purchase 20 MG O que mostramos em cada um deles? binära optioner program  Vivemos na era do lifestreaming.

forex kontor bromma Sendo assim, percebe-se uma crescente preocupação com a identidade construída nestes ambientes digitais. Os agregadores de conteúdo, como o FriendFeed, e os centralizadores de redes sociais, como o MeAdiciona, são algumas maneiras de gerenciar esta imagem. Por meio deles, podemos concentrar nosso sujeito fragmentado online, reunindo as “identidades espalhadas” pela web e as vinculando a um perfil único.

buy Tastylia Oral Strip online no prescription Para Michel Maffesoli, o social é um complexo explícito de valores plurais, diferentes e diversos, o que resulta na fragmentação do sujeito. Assim, na pós-modernidade, este sujeito é “o ator da era contemporânea, que representa papéis variados em diferentes grupos sociais”, e alterna suas identificações de acordo com o ambiente em que está inserido.

binarie con demo Nesse cenário, é válido apresentar dois projetos interessantes que já estavam em período de testes, mas foram lançados oficialmente por esses dias. O primeiro é o Flavors.me, que promete facilitar a presença online das pessoas. É uma maneira estilosa de personalizar uma página web. Totalmente customizável e com uma interface clean, no estilo Posterous e Tumblr, o Flavors já conquistou os primeiros adeptos. É importante pontuar que o Flavors não é um novo FriendFeed, apesar do mesmo princípio de centralização da nossa presença online.

miglior sito per trading binario Fundado por ex-funcionários do Google e recentemente adquirido pelo Facebook, no FriendFeed podemos acompanhar em tempo real todas as atualizações dos nossos contatos, seja no Twitter, no Delicious ou no Flickr. Já a proposta do Flavors tem um foco minimalista, apenas auxilia na criação de uma página web para chamar de sua: um cartão de visitas virtual, com o seu portfolio de atividades na rede, não oferecendo possibilidades de “seguir” amigos e acompanhar suas atualizações.

Para além deste foco de centralização, o site Youtego, lançado esta semana, se direciona mais para a parte estética desta construção identitária. Através de uma poderosa ferramenta de visualização, podemos montar um perfil só com imagens que revelam nossas preferências, habilidades, hobbies, o que resulta em um vídeo de apresentação muito agradável visualmente falando.

Em processos de seleção, a prática de pesquisar a vida online dos candidatos já é uma realidade, e abre espaço para dúvidas: por estar buscando uma vaga de gerência, será que pega mal publicar as fotos da festa passada no Flickr? Se meu chefe me segue no Twitter, posso exclamar aliviado “ainda bem que é sexta, chega de trabalho!”, sem correr o risco de uma repreensão?!

Enquanto isso, resta desfrutar das possibilidades estéticas de unificação que a web 2.0 proporciona, como estas apresentações pessoais e cartões de visita cada vez mais interessantes!

—-

Para saber mais sobre as expressões identitárias na web, leia este artigo sobre Lifestreaming, de Sandra Bordini.

My Starbucks Idea e a Construção Colaborativa de Marca

Starbucks, ciente de que seus consumidores têm ótimas ideias sobre a empresa – simples ou revolucionárias –, deseja ouvi-las, para que as ações do futuro sejam construídas conjuntamente. Com este objetivo, em março de 2008 foi lançada a plataforma interativa My Starbucks Idea.

Neste ambiente virtual, os consumidores criam seus perfis e podem interagir tanto com a marca quanto com outros consumidores: todos estão convidados a compartilhar seus pitacos sobre a Starbucks, que são divididos em temas como Produtos, Experiências (ambientação das lojas, facilidades) e Envolvimento (ações de responsabilidade social/ambiental). As sugestões podem ser votadas e comentadas pelos próprios usuários e, depois de rankeadas por votação popular, são analisadas pela equipe Starbucks. As ideias consideradas relevantes (e possíveis!) são implementadas e publicadas no blog Ideas in Action (Idéias em Ação), inserido na plataforma. O blog é a “prestação de contas”, a prova de que as sugestões podem, sim, ser colocadas em prática, fazendo com que o consumidor se torne peça-chave no processo de construção da marca.

No seu primeiro ano, a My Starbucks Idea recebeu 75 mil sugestões, além de milhares de votos e comentários. E as discussões não se limitam a discutir sabores de café, facilidades em pagamentos, pedidos de wi-fi nas lojas: algumas são realmente surpreendentes. O melhor exemplo é a campanha de incentivo à cidadania If You Vote, Starbucks Buys Your Coffee (Se você votar, a Starbucks paga seu café), que nasceu de uma sugestão da rede. Durante as eleições presidenciais dos EUA, um usuário sugeriu que a empresa doasse um café Starbucks para cada eleitor que comprovasse seu voto, já que este não é obrigatório no país. Logo que essa sugestão foi postada, espalhou-se rapidamente e ficou entre as mais populares da rede, o que chamou a atenção da empresa. A Starbucks adotou a ideia como estratégia de campanha publicitária, inclusive com veiculação de comerciais no Saturday Night Live. 

O grande trunfo da plataforma virtual da Starbucks é a possibilidade de obter uma fonte inesgotável de feedback espontâneo, ao mesmo tempo em que faz o consumidor se sentir parte valorativa do processo. Neste caso, o consumidor tende a não se sentir “explorado” pela marca – afinal, os comentários são livres –, e desfruta da possibilidade de ter suas sugestões atendidas. E a Starbucks, além das preciosas dicas de quem mais entende dos produtos (os clientes!), reforça seu comprometimento com o seu público mais fiel.

Entretanto, deve-se considerar que a My Starbucks Idea não atingiria tal sucesso caso não estivesse amparada por um posicionamento estratégico de comunicação da Starbucks com seus públicos, anterior a esta ação específica. Os consumidores, no decorrer da história da empresa, foram contemplados com diversas ações de relacionamento, despertando seu envolvimento com a lovemark. Sentimento este que é reforçado através de projetos como a My Starbucks Idea, que transforma seus consumidores em verdadeiros embaixadores e a coloca entre as marcas mais influentes e inovadoras da atualidade.

PS: Esta é uma das reflexões do trabalho A geração de conteúdo pelo consumidor como vantagem competitiva de marca, apresentado por Profª. Dra. Helenice Carvalho, Mariana Oliveira e Cinara Moura, no X Seminário Internacional de Comunicação da PUCRS.

Reflexões sobre o Google Zeitgeist 2009

Nesta época do ano, entre diversas listas, resoluções e retrospectivas, o Google atrai muitas atenções com o lançamento do relatório de análises das buscas mundiais, o Google Zeitgeist.

rekenvoorbeeld binaire opties Zeit o quê?

Em uma tradução aberta do idioma alemão, zeit significa época e geist, espírito: assim, a palavra zeitgeist representaria o clima moral e intelectual de um período de tempo, a partir das particularidades observadas. Disponibilizado anualmente desde 2001, o Zeitgeist traz o ranking das palavras mais buscadas entre suas bilhões de pesquisas. No cruzamento destes dados, é possível identificar padrões e interesses globais, assim como delinear a retrospectiva dos assuntos mais discutidos no ano.

come si opera con le opzioni binarie O espírito de 2009

O relatório deste ano trouxe Michael Jackson, Twitter e Facebook entre os termos emergentes nas pesquisas, e Barack Obama e Olimpíadas de Pequim entre os decrescentes. Até aí nada além do esperado, mas destacam-se algumas particularidades:

– Torpedo Grátis como um dos 10 termos mais bombantes de 2009? Pelo visto, a geração SMS, que segundo a consultoria Nielsen envia em média 80 mensagens por dia, está à procura de uma maneira mais barata de sustentar o vício! :)

- A presença das redes sociais foi constante nas pesquisas de todos os países. Enquanto no Brasil ainda estamos muito ligados ao Orkut, nossos vizinhos estão todos no Facebook: o termo teve o maior crescimento de procura nos países da América Latina (Argentina, Colômbia, Venezuela, Chile, Peru), além de posição de destaque nos países africanos (Quênia, Cingapura, Nigéria). Já o Twitter foi a bola da vez nas buscas no Brasil, Canadá e Estados Unidos.

– Windows 7 foi o termo que mais bombou na Europa Ocidental, principalmente na Áustria, Suíça, Alemanha – países que fazem parte do seleto grupo escolhido pela Microsoft para receber a edição Family Pack do Windows 7, com três licenças por U$ 149.

– A polêmica morte de Michael Jackson, que derrubou diversos sites, inclusive o Twitter, teve menos crescimento de buscas na Europa do que a cantora pop Lady Gaga. Na Argentina, o rapper Daddy Yankee também ultrapassou o Rei do Pop nos índices de pesquisa.

köpa viagra 200 mg utan recept E o Brasil?

Até 2007, o Google Zeitgeist oferecia o relatório das pesquisas de forma global. A partir do ano passado, estas análises ganharam divisões regionais, possibilitando conferir as tendências de cada país. Considerando que o Google detém 95% das buscas feitas por IPs brasileiros, a análise dos termos mais buscados permite identificar interesses e preferências neste período de tempo.

O relatório sobre o Brasil diz que, “do ponto de vista das buscas do Google, os brasileiros interagem via web sobre um tripé: redes sociais (e diversão), serviços e consumo”. No relatório de 2008, quatro das 10 palavras com maior crescimento na procura estavam relacionadas a jogos on-line; em 2009, tais termos sequer aparecem no mesmo ranking. Entre os emergentes, destaque para três termos relacionados à carreira: Concursos 2009, Emprega SP e ENEM 2009. Será que o brasileiro cansou de jogar Tetris? :)

binäre optionen testaccount Tendências para 2010

Uma das novidades deste ano é a seção “Mais dados”, que convida aos relatórios de tendências de outros 50 países, utilizando a integração com o Google Tradutor. Apresenta também diversas ferramentas de mapeamento de tendências, como o Google Trends, o Hot Trends e o Google Insights (mais sobre este assunto a qualquer momento por aqui).

Aos interessados pelo assunto, este blog fez um excelente trabalho de compilação e reuniu diversas previsões e tendências para 2010!