Estratégia de Conteúdo – um guia para iniciantes

Estratégia de conteúdo foi o tema que marcou a volta do #talkshow, programa de entrevistas da Talk, que contou com a participação de Soraya Coelho. Como o assunto despertou grande interesse e deu origem a várias perguntas, decidi compartilhar um link bacana que encontrei no UXBooth: um guia sobre estratégia de conteúdo para iniciantes. Conceitos, inspirações e dicas para ajudar na criação de um conteúdo interessante e útil para seu público.

partnervermittlung ohne abo site de rencontre sérieux au maroc site de rencontre gratuite quebec black speed dating in dallas tx forum rencontre 66 rencontre femmes centre http://www.csipkehotel.hu/includes/miowe/4666 truc pour rencontrer des femmes rencontres dans le 53 http://faddisandfaddis.com/limon/2034 Primeiros Passos

Antes de tudo, é preciso atenção para o que orienta os esforços da criação. Nesse caso, não importa tanto o design ou a plataforma, pois o cerne da questão é: sobre o que estamos falando? Que tipo de conteúdo queremos entregar? Por quê estamos fazendo isso e com qual objetivo?

O que é Estratégia de Conteúdo?

Kristina Halvorson, autora do livro Content Strategy for the Web, diz que “a estratégia de conteúdo planeja a criação, publicação e curadoria de conteúdos úteis”. Ou seja, é um planejamento estratégico orientado para perceber em que ponto estamos (sem conteúdo/conteúdo ruim) e onde queremos chegar (conteúdo relevante, que as pessoas realmente se importem).

Estratégia de conteúdo é o caminho a seguir. É o que orienta os clientes e as equipes envolvidas no projeto sobre QUAL é o conteúdo que está sendo produzido, COMO, QUANDO, feito por QUEM e, principalmente, o PORQUÊ.

Como fazer uma estratégia de conteúdo?

Segundo Kristina Halvorson, a estratégia de conteúdo define:

- assuntos-chave e a mensagem que se deseja passar;

- sugestão de temas recomendados;

- intenção do conteúdo;

- análise comparativa de conteúdos;

- SEO (Search Engine Optimization);

- implicações dessas recomendações estratégicas na criação, publicação e curadoria desse conteúdo;

Ciclo de Vida do Conteúdo

Assim como a linguagem, o conteúdo é “vivo”, e está em permanente mutação. Para avaliar sua qualidade, o estrategista segue um processo de 4 etapas:

1) Análise: com o auxílio de personas e cenários, o estrategista pode descobrir o terreno em que está pisando, o tipo de conteúdo com que está lidando. A pesquisa auxilia a tirar as dúvidas e selecionar o que é conteúdo relevante para aquele público específico. A pergunta que não quer calar é: QUEM SE IMPORTA? Se ninguém se importa com esse conteúdo… não publique.

2) Coleta: aqui, se estabelece os temas centrais do conteúdo, bem como as mensagens que devem ser passadas. O estrategista define um calendário editorial, planejando a produção e a publicação de conteúdos ao longo do tempo, com base nos resultados da fase de análise.

3) Publicação: esse é o momento de observar o conteúdo através do site. A publicação requer uma ferramenta de “Content Management”, ou seja, uma plataforma para gerenciar a criação e a disseminação do conteúdo, como um blog. Ferramentas como sitemaps e wireframes são essenciais para explicar como serão as relações entre conteúdo e interação, baseados na estratégia de conteúdo. E mãos à obra, pois é hora de escrever!

4) Gerenciamento: depois de publicado, chega o momento de olhar pra trás. Analisar os dados, ver o que deu certo e o que não funcionou e, com base nisso, traçar o próximo planejamento. Outra dica importante para gerenciar o conteúdo produzido pela equipe são os guias de estilo, que explicam as melhores práticas e políticas da estratégia de conteúdo.

Ferramentas recomendadas

1) WordPress: uma das preferidas da web, a plataforma de blogs WordPress facilita o processo de criação de conteúdo, pelo foco em usabilidade, simplicidade e estética.

2) Expression Engine: uma ferramenta de gerenciamento de conteúdo para quem quer ir além das postagens em blogs, que permite segmentação: algumas pessoas podem editar áreas específicas do site.

3) Facebook/Twitter: nem precisa explicar o porquê, né? Fonte de informação e de pesquisa, as mídias sociais são ótimos canais para encontrar seu público (e começar a entendê-lo).

4) Microformats: metadados e mecanismos para “taggear” conteúdo ajudam os produtores a acrescentar informação sobre o assunto que estão publicando, além de torná-lo mais fácil de encontrar (SEO).

5) Google Analytics: principal ferramenta de análise de sites, o GA fornece insights sobre a eficácia do conteúdo através de uma grande variedade de métricas, como páginas mais acessadas, taxas de rejeição, procura por palavras-chave, entre outras.