Estratégia de Conteúdo – um guia para iniciantes

Estratégia de conteúdo foi o tema que marcou a volta do #talkshow, programa de entrevistas da Talk, que contou com a participação de Soraya Coelho. Como o assunto despertou grande interesse e deu origem a várias perguntas, decidi compartilhar um link bacana que encontrei no UXBooth: um guia sobre estratégia de conteúdo para iniciantes. Conceitos, inspirações e dicas para ajudar na criação de um conteúdo interessante e útil para seu público.

http://acepackinternational.com/?primre=sites-de-rencontre-pour-mariage-en-algerie&267=c6 Primeiros Passos

Antes de tudo, é preciso atenção para o que orienta os esforços da criação. Nesse caso, não importa tanto o design ou a plataforma, pois o cerne da questão é: sobre o que estamos falando? Que tipo de conteúdo queremos entregar? Por quê estamos fazendo isso e com qual objetivo?

dating sites aberdeen scotland O que é Estratégia de Conteúdo?

Kristina Halvorson, autora do livro Content Strategy for the Web, diz que “a estratégia de conteúdo planeja a criação, publicação e curadoria de conteúdos úteis”. Ou seja, é um planejamento estratégico orientado para perceber em que ponto estamos (sem conteúdo/conteúdo ruim) e onde queremos chegar (conteúdo relevante, que as pessoas realmente se importem).

Estratégia de conteúdo é o caminho a seguir. É o que orienta os clientes e as equipes envolvidas no projeto sobre QUAL é o conteúdo que está sendo produzido, COMO, QUANDO, feito por QUEM e, principalmente, o PORQUÊ.

italy dating and marriage Como fazer uma estratégia de conteúdo?

Segundo Kristina Halvorson, a estratégia de conteúdo define:

- assuntos-chave e a mensagem que se deseja passar;

- sugestão de temas recomendados;

- intenção do conteúdo;

- análise comparativa de conteúdos;

- SEO (Search Engine Optimization);

- implicações dessas recomendações estratégicas na criação, publicação e curadoria desse conteúdo;

conocer chicas de otros paises Ciclo de Vida do Conteúdo

Assim como a linguagem, o conteúdo é “vivo”, e está em permanente mutação. Para avaliar sua qualidade, o estrategista segue um processo de 4 etapas:

1) Análise: com o auxílio de personas e cenários, o estrategista pode descobrir o terreno em que está pisando, o tipo de conteúdo com que está lidando. A pesquisa auxilia a tirar as dúvidas e selecionar o que é conteúdo relevante para aquele público específico. A pergunta que não quer calar é: QUEM SE IMPORTA? Se ninguém se importa com esse conteúdo… não publique.

2) Coleta: aqui, se estabelece os temas centrais do conteúdo, bem como as mensagens que devem ser passadas. O estrategista define um calendário editorial, planejando a produção e a publicação de conteúdos ao longo do tempo, com base nos resultados da fase de análise.

3) Publicação: esse é o momento de observar o conteúdo através do site. A publicação requer uma ferramenta de “Content Management”, ou seja, uma plataforma para gerenciar a criação e a disseminação do conteúdo, como um blog. Ferramentas como sitemaps e wireframes são essenciais para explicar como serão as relações entre conteúdo e interação, baseados na estratégia de conteúdo. E mãos à obra, pois é hora de escrever!

4) Gerenciamento: depois de publicado, chega o momento de olhar pra trás. Analisar os dados, ver o que deu certo e o que não funcionou e, com base nisso, traçar o próximo planejamento. Outra dica importante para gerenciar o conteúdo produzido pela equipe são os guias de estilo, que explicam as melhores práticas e políticas da estratégia de conteúdo.

http://hivtestkit.ph/?melisa=pontarlier-rencontre-s%C3%A9rieuse&260=e4 Ferramentas recomendadas

1) WordPress: uma das preferidas da web, a plataforma de blogs WordPress facilita o processo de criação de conteúdo, pelo foco em usabilidade, simplicidade e estética.

2) Expression Engine: uma ferramenta de gerenciamento de conteúdo para quem quer ir além das postagens em blogs, que permite segmentação: algumas pessoas podem editar áreas específicas do site.

3) Facebook/Twitter: nem precisa explicar o porquê, né? Fonte de informação e de pesquisa, as mídias sociais são ótimos canais para encontrar seu público (e começar a entendê-lo).

4) Microformats: metadados e mecanismos para “taggear” conteúdo ajudam os produtores a acrescentar informação sobre o assunto que estão publicando, além de torná-lo mais fácil de encontrar (SEO).

5) Google Analytics: principal ferramenta de análise de sites, o GA fornece insights sobre a eficácia do conteúdo através de uma grande variedade de métricas, como páginas mais acessadas, taxas de rejeição, procura por palavras-chave, entre outras.

Para evitar a procrastinação: não finalize suas tarefas!

Início de ano é sinônimo de resoluções: ler mais, iniciar um novo projeto, parar de fumar – e pela internet afora encontramos centenas de dicas para transformar essas resoluções em realidade.

“Como melhorar seu foco e concentração” está sempre entre os “how to” mais procurados: a fuga da procrastinação. Não podemos começar o ano deixando para amanhã… bom, você já sabe o ditado. Entre os conselhos mais clichês para melhorar a produtividade, como concentrar-se numa tarefa só, não ser interrompido por pessoas e barulhos constantes e evitar o trio Gmail-Twitter-Facebook, encontrei uma dica pouco usual: não finalize suas tarefas.

Pode até parecer contraditório. Segundo Roald Dahl – autor de livros clássicos como A Fantástica Fábrica de Chocolate, – a melhor dica para evitar a tão temida procrastinação é… deixar as tarefas incompletas! Isso mesmo: o escritor recomenda que você não vá até o fim de um capítulo que está quase acabando, nem conclua aquele texto que exige mais um ou dois parágrafos. Pelo menos não antes de começar um projeto novo.

O lema é “nunca retorne para uma página em branco” e a ideia é a seguinte: quando estamos envolvidos em alguma coisa, adquirimos um ritmo de produtividade e, ao terminar, teremos que iniciar a próxima a partir do zero – quebrando a dinâmica. Uma página em branco é sempre assustadora, trazendo consigo bloqueios mentais. Ao perceber que estamos concluindo alguma tarefa, o ideal é interrompê-la e começar algo novo. Voltaremos depois e, ao conclui-la, teremos na manga um outro projeto já em andamento –  o que torna mais confortável que o continuemos, mantendo o embalo. Não é que faz sentido?

PS: mas tem que voltar e acabar a tarefa, viu? ;)

via Lifehacker

10 Relatórios e Tendências em Comunicação e Social Media que você precisa conhecer

Todo mundo sabe que para trabalhar com comunicação é necessário estar sempre bem informado. É claro que não dá pra saber tudo que está acontecendo em todo o mundo (overload!), mas independentemente da área que trabalhamos, tendo como matéria-prima a informação e o conhecimento, é preciso saber onde encontrar alguns dados, estatísticas e tendências.

Relatórios e pesquisas facilitam nossa análise de mercado, ampliam nossos horizontes e auxiliam no planejamento de futuras ações. Ainda que muitos destes estudos sejam pagos, vez ou outra encontro um relatório interessante disponível em PDF. Pensando nisso, compartilho alguns por aqui. Alguns exigem apenas um cadastro simples de e-mail. Divirta-se!

1. Swix – Social Media Marketing at the Largest Brands in the World.

2. BrandFinance – Global 500, um estudo sobre as 500 marcas mais valiosas do mundo.

3. BrandRepublic Whitepaper Library- a biblioteca do Brand Republic reúne artigos sobre muitos temas atuais e importantes, de B2B a Viral Marketing.

4. Pew Research Center – Números, fatos e tendências modelando o mundo. Este centro de pesquisas oferece diversos relatórios interessantes, como o State of the News Media 2010 e o Millenials: A Portrait of Generation Next.

5. EConsultancy – E-mail Marketing, Social Media, SEO, publicidade online… aqui tem de tudo.

6. Nieman Reports – Harvard – Jornalismo e Social Media.

7. Pop Cap Social Media Gaming Research – Relações entre jogos e mídias sociais.

8. Social Media Biz – Busca em tempo real e descoberta da social web.

9. State of Community Management 2010 – Relatório sobre criação, reconhecimento e gerenciamento de comunidades organizacionais.

10. Emarketer – Pesquisas e gráficos sobre marketing, social media, mobile marketing, consumidores, e por aí vai.

 

Aventure-se no Gmail Labs

O Gmail é um dos carros-chefe do Google desde seu lançamento, nos idos de 2004. Segundo dados da ComScore, o serviço já é o 3º webmail mais usado nos EUA, com 37 milhões de usuários, atrás apenas de Yahoo e Hotmail. Inicialmente restrito a convidados e com selo “beta” até julho, o Gmail cresceu e conquistou a preferência de muitos usuários, por causa de sua interface leve e eficiente. No decorrer destes cinco anos, o serviço passou por diversas atualizações, como o aumento da capacidade de armazenamento e dos controles de spam, melhorias na interface e adoção de recursos avançados de conversação.

E, como é de praxe no Google, os usuários podem experimentar funcionalidades que ainda estão em fase de teste, no parque de diversão dos nerds: o Google LabsDisponível em português desde março deste ano, o Gmail Labs é um laboratório para testes de recursos úteis e divertidos, que provavelmente serão incorporados ao serviço de webmail. Como exemplo temos o lab Tarefas – que adiciona na caixa de entrada a sua lista de pendências -, que foi “promovido” em julho deste ano e passou a integrar as funções principais do site. Alguns dos experimentos mais interessantes:

rencontre celibataire plus de 40 ans - Detecção de Anexo e Cancelamento de Envio: o primeiro detecta a palavra “attach” no corpo do seu e-mail e avisa caso você tenha esquecido de anexar o arquivo, já o segundo permite que você cancele o envio do e-mail em até 30 segundos! 

rencontre sur aire de repos a1 - Mail Goggles: segundo a própria descrição do Labs, “As mensagens que você envia tarde da noite em fins de semana podem ser úteis, mas você pode acabar se arrependendo delas na manhã seguinte”. Em outras palavras, trata-se de uma proteção para o drunk mail: nos sábados e domingos, das 22h às 4h da manhã, você tem que resolver algumas operações matemáticas antes de ser autorizado a enviar seu e-mail. Assim você acaba desistindo, e evita dores de cabeça amanhã! :)

why not look here - Wrong Bob: analisa grupos de pessoas para quem frequentemente
mandamos os mesmos e-mails. Por exemplo, se com um determinado grupo de amigos sempre adiciono Bob (o amigo) e não Bob (o chefe), o Lab nos avisa que colocamos o “Bob Errado” e evita que o chefe seja convidado para aquele happy hour pós-expediente…

recherche femme handicapГ©e - Flickr, Picasa, Youtube, PDF e Google Docs: permite visualizar estes vídeos, documentos, PDFs e fotos sem sair do Gmail.

rencontre venus jupiter - Tradução de Mensagens: possui integração total com o Google Tradutor, o que torna o webmail ainda mais útil e completo.

- Adicionar Gadgets: permite adicionar Twitter, Google Docs, Google Agenda, entre outros gadgets no webmail, facilitando a vida online dos usuários ao reunir diversas funções em um ambiente só.

Para ativar o Gmail Labs, clique no tubo de ensaio verde, ao lado da opção “Configurações”, no topo superior direito da página. E se você já estiver careca de saber tudo sobre os Labs, a PCMAG oferece um guia não-oficial para usuários de Gmail, com dicas úteis para aproveitar o que o serviço oferece de melhor.