Estudo “Twitter Influence”, da Burson-Marsteller

http://traffic-dealer.de/?kruwa=bin�?�?�?¤re-optionen-app-demo bin�?�?�?¤re optionen app demo

optiontime erfahrungen

http://kjoek.nl/boek/de-schepping.html binaire opties strategieen_

http://diginbruntsfield.co.uk/?konstanta=iq-trader-options iq trader options

ثنائي الخيار هيروس

Conheça o projeto Polyteck: ciência e tecnologia em revista

trading binario recensioni

http://www.omod.no/?demobilizaciya=bin%C3%A4re-optionen-mit-metatrader&6fc=b7 binäre optionen mit metatrader

köpa diazepam inrikes

melhores brokers opções binárias

ScreenHunter_146 Feb. 16 23.20

A intenção dos fundadores do projeto é distribuir a Polyteck, que já está na sua 4ª edição, em outras universidades brasileiras. Para isso, estão com um projeto de financiamento no Catarse, em que pode-se contribuir com a causa a partir de R$ 10.

Sempre tive muito interesse no que é produzido e publicado pelo ambiente acadêmico e acredito que iniciativas como essa ajudam a reduzir o gap entre o mercado e a academia. Acredito que esse projeto é muito válido e pode realmente incentivar a busca pelo conhecimento e uma mudança no comportamento de muitos estudantes Brasil afora. Eu já contribui! E você?

 

Segmentação de Público no Monitoramento de Mídias Sociais

O Tarcízio Silva, gerente de produto da Social Figures, acaba de publicar um material muito bacana sobre segmentação de público no monitoramento de mídias sociais.

O mais interessante é que o paper traz referências da pesquisa “tradicional” para o universo do monitoramento de mídias sociais. A busca por referências tradicionais nem sempre é comum para quem trabalha com mídias sociais, cujo discurso geralmente é de que “tudo novo”. Em monitoramento, é importante lembrar que temos muito o que absorver do que já foi estudado, publicado e ensinado sobre pesquisa, demografia, psicologia, comportamento, entre outros.

A classificação de menções em categorias, por exemplo, não tem nada de novo. Laurence Bardin, professora de Psicologia da Universidade de Paris V, escreveu sobre isso em 77, em seu livro Análise de Conteúdo (super recomendado, aliás).